Atividades Educativas

Visitando a Memória

O projeto Visitando a Memória objetiva a divulgação da memória histórica e cultural da Câmara Municipal, assim como da cidade do Salvador, promovendo uma interação entre a Casa Legislativa e as escolas.

O Memorial da Câmara Municipal está aberto para visitas orientadas direcionadas a grupos de estudantes, de segunda a sexta-feira das 9h às 12h e das 14h às 18h. Essas visitas devem ser agendadas com antecedência. Vale ressaltar a importância do cumprimento do horário. No dia agendado para a visita, caso haja algum imprevisto que impossibilite a chegada, o Memorial deve ser comunicado imediatamente.
Visitando a Memória: A marcação da visita mediada deverá ser feita pelo telefone (71) 3320-0308/ 3320-0307/3320-0309 (de segunda a sexta, das 9h às 17h).

Curiosidades Históricas

Produção de verbetes históricos e divulgação de algumas curiosidades sobre a história da Câmara e da cidade do Salvador encontradas nas pesquisas desenvolvidas pelo Memorial. O objetivo é ampliar o acesso da população à cultura local.

Fatos e Personalidades Históricas

Este espaço objetiva divulgar os resultados das pesquisas desenvolvidas pelo Memorial acerca de alguns fatos e personalidades de relevância para a Câmara, a fim de tornar-se um uma referência para o estudo da história política, administrativa e cultural de Salvador, sobretudo através desta Casa Legislativa.

Projetos de Pesquisa

Os projetos de pesquisa são frequentemente desenvolvidos, visando a colher o máximo de informações relevantes, seja para a divulgação de datas históricas, eventos e exposições ou para a ampliação do banco de dados do Memorial.

Pesquisas

Serão disponibilizadas todas as pesquisas do memorial em breve.

Artigos

MARIA FELIPA: A heroína esquecida da independência da Bahia
11/09/2017 
André Carvalho

Em 7 de setembro de 1822, às margens do Riacho  Ipiranga, o então príncipe regente proclamou a Independência do Brasil. A independência representaria o fim da exploração colonial e autonomia política dos brasileiros. No entanto, apesar da independência ser caracterizada pela pacífica separação política entre Portugal e Brasil, na Bahia tal processo seria caracterizado por lutas intensas. O Recôncavo ainda era o centro da produção açucareira e, no centro de Salvador, os portugueses ainda ocupavam fortes praças comerciais. Devido à sua forte influência econômica, muitos comerciantes portugueses acreditavam no retorno da submissão política do Brasil em relação a Portugal. Com as intensificações do processo de independência, a Bahia entra em guerra, saindo vitoriosa somente em 2 de julho de 1823, quando expulsa definitivamente os portugueses, que ainda resistiam ao reconhecimento da autoridade de D. Pedro I.

Os Impactos Sociais da Lei Áurea
16/05/2017 
André Carvalho*

 

INTRODUÇÃO
Desde de que na Europa surgiu a economia baseada nos trabalhadores livres e assalariados, o Brasil passava a receber pressões internacionais para decretar o fim da escravidão. Pois a Inglaterra, país de quem Portugal era totalmente dependente e submisso, tinha interesse pelo fim da escravidão, haja vista que na concepção dos ingleses esse modelo de mão de obra atrasaria o processo de chegada da industrialização na colônia, a exemplo das indústrias na exploração do café e da cana de açúcar. Uma das medidas tomadas pelos ingleses foi conseguir, em 1850, a implantação da Lei Euzébio de Queirós, dificultando o tráfico negreiro no Brasil.

Primeira vereadora eleita pela cidade do Salvador: Laurentina Pugas Tavares
08/03/2017 
Mayara Santos - mestranda do curso de História da Universidade Federal da Bahia, estagiária do Memorial da CMS em 2016.

Rosangêla Esteves - Museóloga do Memorial da Câmara Municipal de Salvador, supervisora do estágio.

Em 5 de setembro de 1936, o Diário de Notícias, importante periódico da capital baiana, deu evidência na primeira página, à primeira vereadora eleita pela cidade do Salvador: Laurentina Pugas Tavares. Com o enunciado, “estreou ontem a vereadora Larentina Pugas”, o jornal destaca a relevância e o ineditismo do feito da então professora, sendo a primeira mulher a assumir um cargo público na Câmara de Vereadores da capital baiana. Esta conquista foi conseguida, pela professora de apenas 28 anos, a partir de suas redes de sociabilidade política, efetivada após a eleição de Maria Luíza Bittencourt para deputada estadual em 1935.

 

Publicações

Serão disponibilizadas todas as publicações do memorial em breve.

Cadastre seu e-mail e receba nossos boletins

Câmara

Presidência

Marcas e Manual

Agenda

Centro de Cultura

Biblioteca

Gestão de qualidade

Transparência

Concurso público

Processos Licitatórios

Frequencia de vereadores

Despesas viagem

Prestação de contas

Leis Municipais